Artigos Mais Lidos
Despina, A Deusa Do Inverno  - Arte: Henrique Vieira Filho

Neste bem humorado artigo para o Jornal O SERRANO, Henrique Vieira Filho relata como o inverno era temido e vivenciado na antiguidade, incluindo as histórias de Despina, deusa do frio e sua irmã, Perséfone e, na atualidade, tudo isso virando atração turística.

Henrique Vieira Filho e seu artigo para o Jornal O Serrano
Henrique Vieira Filho e seu artigo para o Jornal O Serrano

Publicado resumido no Jornal O Serrano, Nº 6308, de 10/06/2022

DOI: https://doi.org/10.5281/zenodo.6470571

Não era apenas no seriado “Game Of Thrones” que a frase acima apavorava a todos.

Na antiguidade européia, sobreviver ao período de frio era um desafio intenso. Afinal, a deusa Perséfone ainda estava no submundo, com seu marido Hades e só quando voltasse à superfície é que traria consigo a primavera.

Também culpavam sua irmã, a deusa Despina: negligenciada desde o nascimento, se vinga nas águas tão queridas por seu pai, Poseidon e na vegetação, obra-prima de sua mãe, Deméter, congelando tudo!

Deusa Despina - Arte de Henrique Vieira Filho
Despina Goddess - Art by Henrique Vieira Filho
Despina, A Deusa Do Inverno  – Arte: Henrique Vieira Filho

Seu nome grego era sinônimo de inverno e, para ficar ainda mais gelado, casou-se com Bóreas (deus do vento norte, da aurora boreal) e há quem diga que tiveram um filho, cujo nome, Kryos, significa… frio!

A Frozen, da Disney, é uma singela amadora perto dela!

Nada como um século após o outro: antes tão temida e desprezada, mas, agora, os empreendedores aqui da região aguardam ansiosamente a volta da Despina!

Tanto é que convidaram ela e a família para soprar por aqui (de leve, claro…) e, com isso, ironicamente, aquecer o mercado turístico.

Multidões de apaixonados por temperaturas mais baixas passeiam por nossas montanhas, em merecidas férias, apreciando cafés e chocolates quentes, massas em molhos fervilhando, guloseimas com calorias mil e os pores-do-sol mais incríveis que só no inverno que a deusa/ninfa Hespéra consegue carregar com tantas cores ardentes e vívidas!

Aproveitem! Mesmo assim, muita atenção, pois, o que diferencia inverno de inferno é apenas uma letra, fácil de digitar errado se não cuidarmos de nossa saúde: agasalhem-se, bebam água da fonte e caminhem bastante por nossas montanhas!E seja bem-vinda, minha cara Despina!

O coelho, a tartaruga e a Slow Art Previous post A Lebre, a Tartaruga, Você e as Artes
Exposição Direito À Arte Next post O Direito À Arte

Notice: ob_end_flush(): Failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/revistath/artivismo.com.br/wp-includes/functions.php on line 5420